Problemas cadastrais atrasam repasse do Ministério da Saúde

100% Saúde da Família, elogiável

Mas Altinópolis tem recursos próprios para 100% PSF

O Ministério da Saúde suspendeu parte do repasse financeiro referente aos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. Em alguns municípios do país houve irregularidades no cadastro de profissionais que, no caso de Altinópolis, já foram solucionadas.

A cidade deixou de receber no mês de agosto R$ 10.450,00 ( e não 33 mil como veiculado pela imprensa), valor que seria repassado para a Secretaria Municipal da Saúde.

A Assessora da Secretaria da Saúde, Rosana Fajardo explica que o problema foi que, no passado, alguns funcionários haviam sido cadastrados para atender em Altinópolis e também em um hospital vizinho, o que pode ter causado a duplicação de cadastros. “Mas, o funcionário não estava deixando de atender e nem estava recebendo duas vezes”, explica Rosana que já encaminhou justificativa à Diretoria Regional de Saúde e o valor não repassado poderá ser reavido.

O repasse normal do Ministério para as áreas da saúde bucal, saúde da família e agentes comunitários é hoje de R$ 73.200,00. O valor a menos não prejudicou o atendimento no município, pois a Prefeitura tem orçamento próprio para os programas.

Ao todo, a cidade investe 22% da verba do SUS em saúde, quase 10% a mais do que a própria constituição preconiza como obrigatório para a saúde. O município é o único da região de Ribeirão Preto a ter 100% de cobertura com o Programa Saúde da Família, ou seja, atendendo prioritariamente com prevenção.

reportagem Jornal A Cidade Ribeirão 5 outubro